Água que sai do ar condicionado é potável, afirma pesquisa do IFMT


Foto: Divulgação


Em tempos de seca, o reaproveitamento da água se tornou freqüente e a conscientização já atinge quase todos a sociedade. Além de reutilizar a água da chuva, da máquina de lavar e do banho para lavar quintal e calçada, uma nova forma de economizar foi descoberta em estudos do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT): é possível beber a água que sai do ar condicionado.


A pesquisa que mostra a qualidade deste líquido é da professora Sandra Maria de Lima, do IFMT de Várzea Grande e fez parte do Workshop de Ensino, Pesquisa e Extensão do instituto em outubro de 2014. De acordo com a assessoria da revista Fapemat Ciência, a pesquisadora achava que o conteúdo que saía poderia ser limpo, mas totalmente destilado, ou seja, sem sais minerais. A conclusão, no entanto, foi de que a quantidade de sais exigida pelo Ministério da Saúde (magnésio, cálcio e outras substâncias) era satisfatória, e a água só precisava de adição de cloro.

Os resultados da pesquisa foram obtidos com um ar-condicionadi split de 24 mil BTU’s, utilizado em escola pública, com seis meses de manutenção. A coleta, feita em período de baixa umidade em Mato Grosso, rendeu pelo menos dois litros de água por hora. Sandra Maria de Lima estima que quando a umidade é alta este número pode chegar a quatro litros por hora.
Ao ser sugado pelos aparelhos de ar-condicionado, o ar quente, carregado de umidade, entra em contato com um dispositivo dos aparelhos denominado serpentina, cuja temperatura está em 7°C. “Esse contato provoca a mudança de estado físico da água contida na massa de ar, passando de gasoso para líquido. O ar retorna refrigerado e seco para o ambiente, e a água condensada é drenada e descartada”, explica Sandra.



Consumo

Apesar dos resultados da pesquisa, a professora ainda não recomenda que se faça isso em casa. Isso porque o Governo Federal ainda não autorizou, de acordo com as recomendações do Conselho Nacional do Meio Ambiente [Conama]. Quando autorizado, ainda serão necessários três anos para que isso se torne prática no cotidiano das famílias.



A professora afirma que reutilizar a água do ar condicionado para lavagem de banheiros, roupas, entre outros, devido à baixa quantidade produzida, não é tão atraente. Mas para beber, será interessante pela economia com a compra “Imagina você passando na rua, vê uma pessoa com 100 galões de água potável, jogando isso fora. Ou pegando a água para regar jardim ou lavar calçada. Não é insano?”, reflete a pesquisadora sobre a destinação da drenagem do aparelho.



Fonte: Cenário MT
Data da Publicação: 12/03/2015


Últimas Notícias